"Um currículo, ele conta uma história. Escola, trabalho, passatempos. Um breve resumo de quem você é.
E no final do dia, tudo se reduz conforme as escolhas feitas.

Escolhas. Olhe bem de perto e você pode ver em todo lugar. Mas o que você faz quando vê que sua vida é uma serie de péssimas escolhas? Quando você daria tudo para escolher diferente, a questão é: Se você pudesse voltar e fazer tudo diferente, você continuaria sendo você?”

(Being Erica)

Se todas as escolhas ruins, agora, me fizeram chegar até aqui, eu não mudaria na-di-nha! :)

20, October 2014

O barulho do isqueiro riscando incessantemente é um sinal da minha ansiedade.
Vou morrendo pra encontrar com você.
Quero o fim e o início.
Quero o ponto final e uma folha nova cheia de nós dois.
Espero demais.
Espere por mim.

7, October 2014

"E o que ela poderia fazer com aquele nó na garganta? Meio entalado. Mal engolido…. Digerir nunca foi sua especialidade!!! Demorava anos processando  nós antigos…

E mesmo depois de um tempo, regurgitava aquilo que ela nem imaginava ainda não ter sido processado.

Ela nunca foi muito boa na digestão. Por isso, talvez, a gordura. E a sujeira. E a solidão.

Ela colecionava coisas antigas e paixões mal resolvidas. Ela gostava da segurança de sempre ter pra onde correr. Mesmo que não fosse acolhida.

Seus processos eram lentos, duros… Apegava-se até a tristeza, ou aquilo que não a fazia tão bem. Como quem tem uma afinidade profunda com a melancolia.

Depois de todo processamento da frustração já sabia a etapa seguinte: a saborosa culpa que ela se lambuzava sem moderações! Ela tinha de ser culpada. O tormento da culpa a deixava se sentir mais viva.

Logo ela? Tão feliz, tão iluminada, tão sorridente… Máscaras meu amigo, talvez pra disfarçar uma agonia contida que não tinha espaço de existir. Hoje em dia a gente só pode ser feliz.

Logo ela? Desde pequena treinada e moldada pra “trazer a alegria”. Ela que inspirava luz? Que fardo pesado de se carregar!

Ela não tinha o direito de viver o luto do não.

E já era grandinha demais pra não saber lidar com suas frustrações (ainda que ninguém tenha a ensinado muito bem).

Mais do que tudo na vida, agora ela amava a maturidade!

Já tinha entendido que a vida é cíclica e que se entregar de corpo, alma e um pouco mais, fosse à tristeza ou à alegria era sempre a melhor solução.

Ambas passariam em algum momento!

Tudo passava em algum momento, e isso já não soava tão desesperador.”

(Por Carolinie - http://cantodamulherquecanta.com.br)

12, September 2014
10 de setembro

A falta que você faz dói todo dia, mas no dia 10 de setembro tudo fica mais difícil.
Eu adoro falar bem de você e lembrar de tudo que foi bom, mas hoje não consigo ser otimista.
Tudo que eu vejo me lembra você e a sua falta dói mais do que eu suporto.
Queria poder voltar no tempo e trazer você de volta. Queria que você fizesse parte de tudo isso.
Já se passaram 3 anos, e o dia 10 de setembro, definitivamente, não é o seu dia.

10, September 2014
Corpo e alma

Tem vezes que me perco nos meus próprios sentimentos.
Não dá pra explicar como é grande.
Não consigo descrever como isso faz eu me sentir.
São milhões de pensamentos ao mesmo tempo.

E agora eu só quero viver tudo isso.
Quero tocar na sua pele, sentir o seu abraço.
Quero olhar nesses seus olhos lindos sorrindo pra mim.
Quero gargalhar do seu lado enquanto falamos besteira.
Quero você. E quero agora, sem demoras.
Eu só quero cuidar de você e deixar você cuidar de mim.

7, September 2014

É estranho demais como sinto que aqui é a minha casa.
É estranho como sinto que pertenço a esse lugar.
É mais estranho ainda pensar que agora lá é a casa dos meus pais, o lugar onde cresci.
Me deixa confusa perceber que não existe mais nada me prendendo, me segurando.
Quero voltar pra ver tudo que eu amo e que faz parte de mim. E só. Agora tudo que tenho lá é só bom e seguro.

O resto do mundo me espera pra viver a minha vida.
E talvez um dia eu volte. Mas é bom saber que isso não é mais certeza.

4, September 2014
Just Breathe

Toda vez que algo bom acontece, você aparece pra mim em sonho.
Eu só queria te ter aqui pra contar como tudo tá indo, te dizer que você faz muita falta. Triste, feliz. Tanto faz.
Eu só queria você aqui.
Ainda não consigo me conformar e deixar você ir.
As coisas andam tão bagunçadas… Cadê você pra me ajudar a colocar tudo no lugar?
Só eu sei o quanto você me ajudava em tudo. E o que dói mais é saber que nunca mais.
Eu me odeio o tempo todo por estar esquecendo todos aqueles detalhes.
Me odeio por não lembrar mais da sua voz, nem de como era o seu abraço.
Mas ainda lembro dos seus olhos sinceros e do seu sorriso.
Ainda lembro de todas as palavras que trocamos.
Você é insubstituível em todos os sentidos.
E tudo que eu tô sentindo hoje é a sua falta.

18, August 2014
A mesma coisa, de outro jeito.

"Malas prontas, cadeados fechados.
A vida nas bagagens? Não mesmo. A vida pra trás, aqui no Brasil.

Eu tô muito feliz de ter essa oportunidade. Muito feliz de ter conquistado tudo isso junto com meu pai. Muito mesmo. Mas óbvio, sinto um aperto enorme no peito.
É uma mistura de felicidade, ansiedade e medo. É não saber o que vem pela frente. É um frio na barriga, daqueles que a gente tem na montanha russa. É euforia e nervosismo. É bom e ruim, mas é bom. É uma tpm mil vezes maior. Me ofender com uma brincadeira, rir de coisas sérias e chorar feito um bebê. E chorar o dia inteiro. E chorar por saudade antecipada. E chorar porque fulano não ligou se eu vou ficar seis meses longe. E chorar porque caiu alguma coisa no chão. E chorar porque o telefone toca demais. E chorar porque a unha quebrou. Chorar, chorar, chorar. É um saco… e olha que eu sou acostumada a chorar BASTANTE. Mas não tá dando não. Quero logo ou não quero tão cedo. Eu sei lá!
É muito esquisito. Mas é bom. Mas é esquisito.
Eu quero mais abraços e mais beijos e mais carinhos e mais tudo. E quero tudo que não terei lá em excesso hoje, mas sei que não é possível. rs
Continuo achando esquisito o jeito de algumas pessoas, continuo não entendendo. Mas sinto que a ficha da maior parte das pessoas já caiu, mas sei que o mundo não gira em torno disso e só eu que estou fazendo disso uma tempestade no copo d’água, porque só o meu mundo é isso agora.
Enfim, eu nem sei porque to escrevendo esse monte de coisas sentimentais agora, mas é pra isso que serve esse blog, né?
Esse é o último post antes da viagem. E sei que não deveria ser nesse astral, mas acho que isso é só preocupação e medo. Eu sei que tô feliz, sei que tô MUITO grata por tudo isso e sei que tudo está perfeito. Ainda não consegui demonstrar por aqui como é grande a felicidade que estou sentindo dentro de mim, mas talvez quem sabe quando eu chegar lá?!”

(http://itsvegasbebe.blogspot.com.br/2012/04/montanha-russa.html)

23, July 2014

Ser colocada justamente nessa situação foi a pior coisa.
Esse peso sobre os meus pés me faz perder a direção.
Tudo dói em mim. Como se meu corpo tivesse sofrido a agressão.
Eu sei o quanto dói em mim.
Meu corpo está vazio.
Minha mente, uma bagunça.
Eu me sinto perdida, sem ter onde ir.
Eu já não sei mais quem eu fui.
Já não sei quem eu sou.
Eu já não sei o que é certo.
Não sei dizer o que é errado.
Eu não sei mais nada.

25, June 2014

Eu não sei bem o motivo. Eu queria o seu abraço.
Acho que fiquei vulnerável com toda essa situação.
As coisas já não são as mesmas.
Envelheci muitos anos em 4 dias.
Tudo está fora do lugar. Tudo indo para a mesma direção.
Eu quero olhar nos seus olhos e enxergar dentro de você. Tudo que tu é, tudo que eu sou. Tudo que nós fomos.
Eu quero que me diga tudo que tem dito, olhando para mim. De cabeça erguida.
Quero um abraço.
E adeus.

25, June 2014

Vem pra cá!
Vamos andar de mãos dadas. Vamos sentar na pedra e ver o fim do dia, não importa se está nublado.
Vamos correr da chuva. Vamos rir disso tudo e escutar “música-para-deprimidos” no volume máximo dentro do carro, enquanto nos aquecemos do frio que faz lá fora.
Vem! Vamos falar da vida e encontrar inspiração no desabafo um do outro. Vamos nos alimentar de sentimentos enquanto esperamos a comida chegar na mesa.
Vai! Vê o teu mundo todo de longe, seja feliz! Mas volta aqui.
Volta pra eu te explicar porque o meu adeus foi tão frio…
Volta… pra eu te dizer que uma das tardes mais solitarias foi aquela que você foi embora e me deixou na minha vida.
Volta, que é pra eu te contar que terminei de beber o meu café na chuva, que se confundia com as lágrimas que ficaram por aqui depois que sumi de você.
Fica. Lê o que eu digo.
Chega de silêncio.
Me desculpa pela confusão. Eu só queria me ajudar.

Eu só não sei como te dizer.
Podemos voltar um ano e meio?

25, May 2014

Existem coisas que martelam nas nossas cabeças. Tenho tido tantas delas, que não sei por onde começar.
Estou olhando para o céu e pedindo pras estrelas que você escute meus pensamentos, não pelo motivo de sempre. Não é o cansaço que me impede de te dizer tudo que penso. Tão pouco por amar você.
Não é amor. Não é paixão. Mas eu não sei definir.
Eu não sei o que mudou em mim e muito menos como isso passou a ser constante na minha cabeça. Não sei dizer o motivo, nem explicar o que eu quero. Acho que eu quero que você saiba até o que eu não sei.
Toda vez que me lembro daquela noite, me dá uma saudade…
Sinto falta de ser o que fui. O que fomos. Acho que eu só queria me sentir daquele jeito de novo.
E pra provar a grande bagunça que eu sou, estou aqui, escrevendo pra você não ler. Repetindo o padrão da minha vida. Assumindo, nesse momento, o que eu mesma não sabia.
Eu só quero que você saiba que eu estou pensando em você.

13, May 2014

É muito difícil tentar.
Estar bem comigo mesma é o primeiro passo. Ok.
Mas e quanto ao resto?
Como dizer para alguém tudo que te sufoca?
Como sair do beco sem saída?
Como voltar atrás e ter medo de errar? De novo e de novo e de novo…
Eu não sei.
Eu nunca sei como agir. Todas as formas diferentes que existem eu já tentei, mas as pessoas também são diferentes.
Como saber quem é você?
Eu já disse: me diz!
E sem resposta continuo andando sozinha…
Quando é que vou parar de escrever tantas perguntas?

13, May 2014

-O que acontece quando não nos permitimos mudar?
-Ficamos estagnados.
-Sim. Quando resistimos ao que precisa acontecer, fazemos mais estrago do que percebemos. Violamos a ordem natural da vida.

"Não há constante a não ser a mudança."

(Being Erica - S04E11)

7, May 2014

"Trade a fantasy for reality and you might feel like Alice back from Wonderland.The world may not sparkle and shine, but the ground will be solid beneath your feet and your eyes will be open to all the adventures that lie waiting for you right here in the real world."

(Being Erica - S04E09)

29, April 2014